Irá a Bitcoin substituir o dinheiro fiduciário? - Jornal Contábil

Irá a Bitcoin substituir o dinheiro fiduciário?  Jornal Contábil

Irá a Bitcoin substituir o dinheiro fiduciário? - Jornal Contábil

Muitos descreveram a Bitcoin como um disruptor de mercado que desestabilizaria as moedas fiduciárias. Eis o que você deve saber sobre a Bitcoin e o dinheiro fiduciário.

O debate sobre a Bitsoft360 substituição ao dinheiro fiduciário vem sendo travado há muitos anos. Pesquisadores e especialistas financeiros têm dado diferentes opiniões sobre o assunto. Enquanto alguns insistem que a Bitcoin é uma moeda perturbadora que desestabilizará as moedas nacionais e a economia global, outros veem as coisas de maneira diferente. Como alguns diriam, a Bitcoin goza de uma justa parcela de amor e crítica. 

A Bitcoin começou principalmente como uma moeda de transação descentralizada, que empresas e indivíduos gastariam em vários itens ou serviços e transfeririam fundos em todo o mundo, assim como o dinheiro fiduciário. No entanto, a Bitcoin também atraiu outros usos do mundo real, com muitos investidores e empresas usando a cada vez mais como uma reserva de valor. 

Em muitas ocasiões, a Bitcoin compartilha algumas características com o dinheiro fiduciário e tem superado a moeda de reserva mundial, o dólar americano. Talvez essa seja a principal razão pela qual algumas pessoas pensam que ela irá substituir as moedas tradicionais. Entretanto, a Bitcoin também tem várias outras características únicas do dinheiro fiduciário. 

Este artigo explora a relação entre o Bitcoin e o dinheiro fiduciário e se o primeiro irá substituir o segundo. 

Leia O bitcoin é rastreável?

Tanto a Bitcoin quanto o dinheiro fiduciário servem principalmente como moedas de transação e ativos de investimento. No entanto, eles funcionam de maneiras diferentes. A Bitcoin é uma moeda descentralizada, não regulamentada por nenhum governo, instituição ou indivíduo. Isso significa que os usuários podem transacioná la de forma autônoma, sem intermediários, facilitando pagamentos rápidos, seguros e de baixo custo.

Por outro lado, as transações em dinheiro fiduciário estão sujeitas a regulamentações governamentais e influências institucionais. Todas as transações em moeda fiduciária devem passar por intermediários, o que geralmente impacta taxas de transação mais altas, atrasos de pagamento e múltiplos riscos de segurança. As moedas fiduciárias são centralizadas e seu uso continua sujeito a influências políticas.

Bitcoin atende a mais aplicações além de pagamentos e investimentos. Sua tecnologia de blockchain é um software de código aberto que suporta o desenvolvimento de vários produtos para consumidores globais. Seu uso robusto no mundo real lhe dá uma imagem positiva e uma vantagem competitiva mais potente do que o dinheiro fiduciário. Além disso, a Bitcoin tem perspectivas de maior valor do que o dinheiro fiduciário, apesar de sua volatilidade.

Graças à descentralização da Bitcoin, muitas pessoas a encaram como um método de pagamento e de armazenamento de valor mais confiável do que as moedas fiduciárias. Ela facilita uma maior inclusão financeira e fluxos de capital no mundo inteiro, uma vez que as transações não estão sujeitas às regulamentações governamentais. Muitos aplaudem a Bitcoin por democratizar o dinheiro, dando às pessoas o poder de adquirir e administrar sua riqueza com a máxima autonomia. E isso é algo que as moedas fiduciárias falharam em entregar. 

Leia  As 4 melhores criptomoedas para investir em 2023

As moedas fiduciárias têm sido os guardiões das transações financeiras desde a invenção do dinheiro. Cada país tem uma moeda única, e elas também possuem valores diferentes. Ainda assim, as moedas fiduciárias são acessíveis em todas as partes do mundo. Contudo, seu fornecimento e circulação dependem inteiramente das leis e políticas de seus respectivos governos e instituições. 

Os governos utilizam políticas monetárias para regular a circulação do dinheiro fiduciário dentro e fora de suas fronteiras. Por exemplo, empresas e indivíduos devem passar por instituições financeiras designadas, tais como bancos e processadores de dinheiro, para fazer transações de dinheiro fiduciário. Embora as moedas fiduciárias sejam guardiãs financeiras, sua acessibilidade continua sujeita às leis governamentais e outras influências que favorecem apenas as pessoas poderosas e ricas.

Ao contrário do dinheiro fiduciário, a Bitcoin não tem autoridade central para regular seu fornecimento e circulação. Além disso, os usuários da Bitcoin não precisam de bancos ou outras instituições financeiras para fazer transações. Qualquer pessoa com conectividade estável com a Internet e um smartphone pode aderir à rede Bitcoin e transacioná la em todo o mundo sem interferência externa. Embora a Bitcoin tenha um limite de mercado menor do que as moedas fiduciárias, ela é mais facilmente acessível do que esta última. 

Em geral, a Bitcoin tem mais casos de uso no mundo real, perspectivas de maior valor e melhor acessibilidade do que o dinheiro fiduciário. Isso lhe dá um potencial mais significativo para superar as moedas fiduciárias, mas a Bitcoin também enfrenta desafios substanciais. Ela pode substituir o dinheiro fiduciário, mas isso levará muito tempo. 



Via Google News