Pedro Miranda apresenta ‘Nada de novo’ no quinto álbum solo, ‘Atlântica senhora’, depois de lançar sete singles

Além de cantar samba de Paulinho da Viola, o artista carioca faz duas incursões em espanhol pelo território da música argentina entre as faixas inéditas de disco que contabiliza seis composições autorais. Pedro Miranda lança hoje, 11 de abril, o álbum ‘Atlântica senhora’, com oito faixas já conhecidas Pepe Schettino / Divulgação ♪ Nada de novo. O título do refinado samba apresentado por Paulinho da Viola em 1970 – e ora revivido por Pedro Miranda no quinto álbum solo do artista carioca, Atlântica senhora – quase traduz o conteúdo do disco gravado com produção musical de Luís Filipe de Lima. Por ter sido antecedido com série de sete singles editados em série iniciada em fevereiro de 2023, o álbum Atlântica senhora chega ao mercado hoje, 11 de abril, com baixo teor de novidade. Das 14 faixas, oito já são conhecidas, já que um dos singles (o da música-título) revelou duas faixas. Além da regravação do samba do Paulinho da Viola, as faixas inéditas são Oracíón del remanso (chamamé do compositor argentino Jorge Fandermole lançado em 2002 e regravado por Pedro Miranda com arranjos e os toques dos músicos gaúchos Bebê Kramer e Guto Wirtti), Tanto pra sonhar (música composta e gravada por Pedro Miranda com Domenico Lancellotti), Deixa lavar (música de Zé Paulo Becker com letra de Miranda, gravada com o violão de Becker), Pois Zé (música que abre a parceria de Pedro Miranda com Zé Renato, gravada com a voz e o violão de Zé, além das cordas do quinteto norueguês Oslo Strings) e a versão completa do ponto Filha de caboclo (Cátia do Acarajé). Pedro Miranda canta músicas de Chico Buarque e Caetano Veloso no álbum ‘Atlântica senhora’ Pepe Schettino / Divulgação Esse ponto de umbanda fecha o disco na versão completa e o abre como vinheta que antecede a já lançada música-título Atlântica senhora (Cristovão Bastos e Pedro Miranda), gravada com as cordas norueguesas do Oslo Strings. Completam o disco as gravações de Capivara do Brasil (marcha composta por Miranda com Chacal), Era Marte? (xote de Pedro Miranda com Marcos Sacramento), Flor do Cerrado (Caetano Veloso, 1974), Futuros amantes (Chico Buarque, 1993), Candombe bailador (Daniel Maza e Maria Volonté, 2007) e Também pede bis (Cezar Mendes e Arnaldo Antunes, 2018), todas já lançadas previamente em singles ao longo de 2023, em ação que tirou grande parte do ineditismo do quinto álbum solo de Pedro Miranda. Capa do álbum ‘Atlântica senhora’, de Pedro Miranda Pepe Schettino

Pedro Miranda apresenta ‘Nada de novo’ no quinto álbum solo, ‘Atlântica senhora’, depois de lançar sete singles
AMAZON MUSIC FREE
AMAZON MUSIC FREE
AMAZON MUSIC FREE

Além de cantar samba de Paulinho da Viola, o artista carioca faz duas incursões em espanhol pelo território da música argentina entre as faixas inéditas de disco que contabiliza seis composições autorais. Pedro Miranda lança hoje, 11 de abril, o álbum ‘Atlântica senhora’, com oito faixas já conhecidas Pepe Schettino / Divulgação ♪ Nada de novo. O título do refinado samba apresentado por Paulinho da Viola em 1970 – e ora revivido por Pedro Miranda no quinto álbum solo do artista carioca, Atlântica senhora – quase traduz o conteúdo do disco gravado com produção musical de Luís Filipe de Lima. Por ter sido antecedido com série de sete singles editados em série iniciada em fevereiro de 2023, o álbum Atlântica senhora chega ao mercado hoje, 11 de abril, com baixo teor de novidade. Das 14 faixas, oito já são conhecidas, já que um dos singles (o da música-título) revelou duas faixas. Além da regravação do samba do Paulinho da Viola, as faixas inéditas são Oracíón del remanso (chamamé do compositor argentino Jorge Fandermole lançado em 2002 e regravado por Pedro Miranda com arranjos e os toques dos músicos gaúchos Bebê Kramer e Guto Wirtti), Tanto pra sonhar (música composta e gravada por Pedro Miranda com Domenico Lancellotti), Deixa lavar (música de Zé Paulo Becker com letra de Miranda, gravada com o violão de Becker), Pois Zé (música que abre a parceria de Pedro Miranda com Zé Renato, gravada com a voz e o violão de Zé, além das cordas do quinteto norueguês Oslo Strings) e a versão completa do ponto Filha de caboclo (Cátia do Acarajé). Pedro Miranda canta músicas de Chico Buarque e Caetano Veloso no álbum ‘Atlântica senhora’ Pepe Schettino / Divulgação Esse ponto de umbanda fecha o disco na versão completa e o abre como vinheta que antecede a já lançada música-título Atlântica senhora (Cristovão Bastos e Pedro Miranda), gravada com as cordas norueguesas do Oslo Strings. Completam o disco as gravações de Capivara do Brasil (marcha composta por Miranda com Chacal), Era Marte? (xote de Pedro Miranda com Marcos Sacramento), Flor do Cerrado (Caetano Veloso, 1974), Futuros amantes (Chico Buarque, 1993), Candombe bailador (Daniel Maza e Maria Volonté, 2007) e Também pede bis (Cezar Mendes e Arnaldo Antunes, 2018), todas já lançadas previamente em singles ao longo de 2023, em ação que tirou grande parte do ineditismo do quinto álbum solo de Pedro Miranda. Capa do álbum ‘Atlântica senhora’, de Pedro Miranda Pepe Schettino